Rede de Sementes do Xingu investe no protagonismo de seus integrantes

Em novo módulo de curso de gestores, membros da rede recebem formação em cooperação, comunicação e desenvolvimento

A Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX) realizou mais um módulo do Curso de Gestores, juntamente com o Instituto Ecosocial entre os dias 28 e 30 de maio, no município de Canarana (MT). A 7ª edição do curso reuniu cerca de 40 pessoas e foi composta por conteúdos e dinâmicas que aprofundaram temas importantes, como o detalhamento de tarefas de cada função, pautas para a próxima assembléia e demandas novas como a composição de critérios mais claros nos processos da Associação.

Um dos objetivos do curso é o empoderamento dos integrantes da Rede, os gestores, para que atuem com mais confiança em suas funções. Cleusa Nunes de Paula, do Projeto de Assentamento (PA) Macife, em Bom Jesus do Araguaia (MT), participa da Rede desde 2010 e comenta que sentiu muita diferença na sua forma de atuar: ¨Eu tinha muita dificuldade de me expressar, de falar e não sabia o porquê. Com a formação passei a entender melhor o meu jeito de ser e o comportamento das pessoas¨, conta.

Parceiro da iniciativa, o Instituto Ecosocial trabalha com a formação de gestores da Rede desde 2016. ¨Elaboramos um curso totalmente personalizado conforme as questões que foram pontuadas antes e durante a formação¨, explica Regina Erismann, uma das consultoras do Instituto Ecosocial.

¨É nítido perceber a transformação das pessoas. Assim como a minha. Eu cresci e os outros também. Agora há mais pessoas que se posicionam durante as atividades de forma que há mesmo um diálogo e não um monólogo¨, diz Guilherme Pompiano, responsável técnico da Rede.

Para Abeldo Virawi, morador da Aldeia Santa Cruz Ripá, Terra Indígena Pimentel Barbosa, o curso é muito importante para entender o funcionamento da Rede e assim poder repassar para o grupo de coletoras da aldeia. Arikutua Wauja, da aldeia Piyulaga, no Território Indígena do Xingu (TIX), também afirmou que a formação facilita muito o trabalho como articulador: ¨O nosso trabalho no TIX é muito diferente do trabalho nos assentamentos por isso é muito importante que haja esse diálogo para juntar esses dois mundos, o indígena e o não indígena. Ao longo dos anos a Rede tem conseguido fazer essa ponte¨.

Participantes do curso de gestores, em Canarana|Tatiane Ribeiro-ARSX

Costurando a rede: o papel de cada um

No segundo dia de curso, as consultoras do Instituto Ecosocial aplicaram uma dinâmica para trabalhar de forma mais detalhada as tarefas de cada função. ¨Conseguimos esclarecer o papel de cada um dentro da Rede. Os Elos, por exemplo, não estavam entendendo a relação com a Casa de Semente e vice-versa. Então essa dinâmica clareou o problema que existia por falta de comunicação¨, contou Milene Alves Oliveira, da Casa de Semente de Nova Xavantina (MT).

Cláudia Araújo, diretora da ARSX, pontua que ao longo do tempo a formação tornou possível uma gestão mais compartilhada dentro da Rede. ¨Ficamos mais integrados e fluidos porque nossa ideia é que a capacitação chegue também aos coletores. Sem o curso a rede estaria concentrada em apenas algumas pessoas¨, afirma.¨

Coletor e também integrante do conselho curador, Placides Pereira Lima, do assentamento Manah, em Canabrava do Norte (MT),  frisa que é preciso conhecer a fundo as necessidades da Rede para que ela avance. ¨Todo esse conhecimento compartilhado aqui traz muita força para desenvolver o trabalho. Utilizamos saberes profundos sobre como lidar com a natureza, como recuperá-la e isso também deve ser levado para fora, para que o homem não pense em só devorar o que a natureza nos oferece mas também se preocupe com a vida¨, finalizou.

 

Por Tatiane Ribeiro

Deixe um comentário