ARSX reúne instituições parceiras para definições anuais

Associação consolida papel de conselheiros em processo participativo de decisões

¨A rede é uma iniciativa fruto de um movimento. Não é um projeto, projeto tem começo meio e fim, ela é muito mais que um projeto. É uma iniciativa que nasce da campanha Y Ikatu Xingu¨. A frase que iniciou a reunião do Conselho Curador da Associação Rede de Sementes do Xingu (ARSX), realizada em março de 2019, na cidade de Porto Alegre do Norte (MT), traz a essência da construção em marcha da trajetória da maior rede de sementes nativas do Brasil.

Rodrigo Junqueira, coordenador do conselho e engenheiro agrônomo do Instituto Socioambiental (ISA), é o autor da fala e quem presidiu a reunião. Ao relembrar o início das atividades de restauração, baseada nos primórdios da agricultura, que demandam sementes, conta como a iniciativa começou a dar certo e a agregar indígenas, agricultores familiares e fazendeiros. ¨Nessa caminhada muitas coisas aconteceram de bom, muitas experiências, muitos encontros de saberes, de sabores, de visões de mundo diferentes. Eu não participo de outras iniciativas de encontrar pessoas e realidades tão diferentes como a gente tem na rede de sementes¨, relembra.

Membros do conselho assistem fala de Danilo Ignácio Urzedo durante reunião da rede. Foto: Tatiane Ribeiro/ARSX

¨Ouvir de um grande fazendeiro de soja que fala e reconhece a importância dos indígenas e agricultores familiares que sem essas sementes não seria possível fazer o que ele precisa fazer, é um grande feito¨, completa o coordenador

Com doze anos de existência, a rede não tinha no início um obrigatoriedade institucional. Foram preciso vários anos de discussões para chegar ao modelo de associação instituído em 2014. A formação do Conselho Curador, previsto no estatuto, passou a contar com integrantes representantes de diversas  organizações que atuavam no território da bacia do Xingu-Araguaia. Entre elas: Instituto Socioambiental (ISA), Associação Nossa Senhora da Assunção (ANSA), Comissão Pastoral da Terra (CPT), Associação Terra Indígena Xingu (ATIX), Operação Amazônia Nativa (OPAN) e também três representantes dos coletores de sementes.

Conselho em ação

No primeiro encontro dos conselheiros em 2019 foi apresentada uma linha de tempo da ARSX, com depoimentos sobre como os processos de funcionamento foram aprimorados,  e também temas como as instâncias de governança, parcerias, eleições da diretoria e formação de gestores.

¨A ARSX para nós parece um sonho porque tivemos muitos obstáculos. Quando criamos os critérios, por exemplo,  eu tinha pouca experiência e não sabia a necessidade de fazer isso. E hoje já tivemos que mudar esse critérios e pela dimensão que tomamos teremos que fazer outros novos arranjos¨, conta Acrísio Luís dos Reis, coletor do Projeto de Assentamento Manah, em Canabrava do Norte (MT) e diretor da ARSX.

Entre os pontos mais altos da reunião, a votação sobre a condução de uma das parcerias para o qual a ARSX foi convidada trouxe diversas reflexões para o grupo. Houve empate dos votos e no final um consenso entre os presentes.

Coletores participam de votação durante reunião do Conselho Curador da ARSX. Foto: Tatiane Ribeiro/ARSX

Para a Cláudia Araújo, presidente da ARSX, que estava presente na reunião, a rede deu um salto qualitativo na discussão em conjunto de temas complexos. ¨Conduzimos a votação com uma metodologia participativa e isso foi um momento histórico para nós. Com isso a diretoria se sente mais fortalecida, mais ancorada, porque agrega o envolvimento de todos da associação¨, afirmou.

¨A sensação que dá é que saímos da reunião de alma lavada¨, completa Vânia Costa Aguiar, diretora da ANSA e membro do conselho. ¨A documentação, no caso o estatuto, é um norte a ser seguido e é preciso tornar isso vivo dentro da organização e nós conseguimos com sucesso¨,  comemora.

Outros temas como aumentar os espaços de governança juridicamente dentro do estatuto, a inclusão de novos integrantes de instituições diferentes no conselho também receberam encaminhamentos.

¨É uma experiência que realmente funciona. Quando fazemos parte de um processo de tomada de decisão isso nos fortalece e aumenta nosso sentimento de pertencimento¨, afirma Antônio Martins, coletor de cidade de Diamantino (MT), e membro do conselho. ¨Aqui todos que fazem parte da ARSX conversam no mesmo nível e isso dá uma tranquilidade para quem está lá na base coletando.¨

Conheça os membros do Conselho Curador da ARSX:

Oreme Ikpeng – coletor de sementes

Cleusa de Paula – coletor de sementes

Antônio Martins – coletor de sementes

Placides Lima – coletor de sementes

Rodrigo Gravina Prates Junqueira – ISA

Vânia Costa Aguiar – ANSA

José Gomes Vieira – CPT

Elizabete Carolina Zaratim – OPAN

Wareaiup Kaiabi – ATIX

Deixe um comentário